quinta-feira, 22 de março de 2018




CRATERA DE IMPACTO DO CERRO DO JARAU, RS, BRASIL
Pesquisa de Dari José Simi
Crateras de impacto por meteoritos são formações raras no planeta e de extrema importância para o conhecimento da evolução geológico e biológica da Terra por se tratarem de eventos catastróficos que causaram extinções em massa e movimentaram camadas geológicas. No Brasil sete crateras de impacto estão cientificamente comprovadas, dentre estas, quatro já classificadas como possíveis sítios geológicos.
O Cerro do Jarau está localizado no sudoeste do Estado do Rio Grande do Sul, no município de Quarai, quase na divisa com a República Oriental do Uruguai e se insere no contexto geológico da Bacia do Paraná. Trata-se de uma feição semicircular de aproximadamente oito quilômetros de diâmetro, com cristas elevadas, que se diferenciam geomorfologicamente do Pampa Gaúcho.
Diversos estudos científicos ressaltam o padrão de uma estrutura com o centro soerguido, com a ocorrência de arenitos da Formação Botucatu no centro e basaltos da Formação Serra Geral na borda, sendo levantada a suspeita de se tratar de uma estrutura causada por impacto de meteorito.
Estudos mais recentes chegam a conclusão que a estrutura é uma cratera de impacto e que apresenta feições de deformação nas diversas unidades que afloram no local.
As imagens que postamos são todas tiradas da internet. Utilizamos, para comparação, uma imagem da cratera de impacto da Serra da Cangalha, no Estado do Tocantins.
Estive visitando o cerro do Jarau há alguns anos. Meu interesse na época era a história. Trouxe para minha coleção de minerais alguns fragmentos de rocha que aparentam serem geradas a temperaturas e pressões altíssimas. Pouca gente sabe que o Jarau é uma cratera de impacto de meteorito, fato ocorrido há muitos milhões de anos. Os estudos são ainda muito recentes. O assunto me despertou quando iniciei um estudo sobre os meteoritos que caíram no Rio Grande do Sul. O trabalho de pesquisa encontra-se em meu blog "Minerais e Fósseis RGS".
O Jarau é mais conhecido como cerro histórico/lendário. A Salamanca do Jarau, que João Simões Lopes Neto escreveu e divulgou em seu livro "Lendas do Sul", contribuiu para a divulgação da famosa lenda do Jarau, contada por Blau Nunes - da princesa moura que anhangá-pitã a transformou em Teiniaguá (lagartixa com cabeça de fogo). Para escrever a lenda, Simões Lopes Neto consultou autores mais antigos que trataram do assunto. Isto é pouco conhecido e divulgado. Entre eles, o mais importante foi o argentino Daniel Granada que estudou as antigas lendas originárias da Espanha e as publicou em seu livro, hoje muito raro, "Reseña histórico-descriptiva de antiguas y modernas supersticiones del Rio de la Plata", obra publicada em Montevideo em 1896.
Entre outras lendas, Granada estuda toda a origem das Salamancas (furnas encantadas). Na página 126 Granada diz "En la salamanca de los cerros de Yarao mora el Teyuyaguá. De allí salió la vez primera que ojos humanos contemplaron maravillados el peregrino resplandor que le hermosea."

Cratera de impacto do Cerro do Jarau, imagem de satélite

Cerro do Jarau, imagem de satélite

Cratera de impacto da Serra da Cangalha, 
Estado do Tocantins, imagem de satélite

Marco na entrada do Jarau

Cerro do Jarau

Nenhum comentário:

Postar um comentário